Um futuro que funcione: automação, emprego e produtividade


27 jan 2017

A automação já está mudando a forma como o trabalho vem sendo feito em várias profissões, de estilistas a CEOs de empresas, de paisagistas a banqueiros.

Robôs e computadores não só podem executar uma série de atividades rotineiras e manuais, como também, cada vez mais, serão capazes de realizar atividades que envolvem cognição, antes consideradas muito difíceis de automatizar.

Mas com que rapidez essas tecnologias de automação – como robótica e inteligência artificial – se tornarão uma realidade nos ambientes de trabalho?

E qual será o impacto no emprego e na produtividade da economia global?

Michael Chui e seus colegas, explicaram no blog da McKinsey Global Institute (MGI), como a automação está transformando o trabalho.

A própria McKinsey tem conduzido um programa de pesquisas sobre tecnologias de automação e seus efeitos potenciais. Um novo relatório da MGI, A future that works: Automation, employment, and productivity tira várias conclusões importantes.

“A automação pode permitir às empresas melhorar o desempenho reduzindo erros e melhorando a qualidade e a velocidade e, em alguns casos, alcançando resultados que vão além das capacidades humanas. A automação também contribui para a produtividade. Isso daria um impulso necessário ao crescimento econômico e à prosperidade. Contribuiria também para compensar o impacto de uma diminuição da percentagem da população em idade ativa em muitos países. Com base na nossa modelagem de cenários, estimamos que a automação possa aumentar o crescimento da produtividade globalmente entre 0,8 a 1,4% ao ano (veja animação abaixo)”.

Segundo eles, é mais adequado analisar o impacto potencial da automação em atividades individuais, em vez de ocupações inteiras.

Cada ocupação inclui vários tipos de atividades, cada uma com diferentes requisitos para a automação. Dadas as tecnologias atualmente demonstradas, poucas ocupações – menos de 5% – são candidatas à automação completa.

No entanto, quase todas as profissões têm potencial de automação parcial, uma vez que uma parte das suas atividades pode ser automatizada.

Da ficção científica aos fatos concretos nos negócios. (Crédito: McKinsey)

 

Os autores estimam que cerca de metade de todas as atividades do mundo possam ser automatizadas através da adaptação de tecnologias atuais. Isso equivale a quase US$ 15 trilhões em salários.

As atividades mais suscetíveis à automação são as braçais e manuais em ambientes altamente estruturados e previsíveis, bem como a coleta e o processamento de dados.

Nos Estados Unidos, essas atividades representam 51% das atividades na economia, representando quase US $ 2,7 trilhões em salários e prevalecem na fabricação, acomodação e serviços de alimentação, e comércio.

E não são apenas as atividades que necessitam de poucas habilidades que podem ser automatizados não; Ocupações bem remuneradas que exigem médias e altas habilidades, também, têm potencial de automação. “À medida que os processos são transformados pela automação de atividades individuais, as pessoas realizarão atividades que complementam o trabalho que as máquinas fazem, e vice-versa.”

Ainda assim, a automação não acontecerá da noite para o dia.

Os autores estimam que levará anos para que o efeito da automação em atividades atuais aconteça plenamente. O ritmo de automação e, portanto, o seu impacto sobre os trabalhadores, variará de acordo com as diferentes atividades, ocupações e salários e níveis de habilidade.

Os fatores que determinarão o ritmo e a extensão da automação incluem o desenvolvimento contínuo das capacidades tecnológicas, o custo da tecnologia, a concorrência, incluindo habilidades e dinâmicas de oferta e demanda, benefícios advindos do desempenho do profissional, além da economia de custos trabalhistas e aceitação social e regulatória.

Os cenários dos autores sugerem que metade das atividades hoje poderia ser automatizada até 2055, mas isso poderia acontecer em menos de 20 anos, dependendo de vários fatores, além de outras condições econômicas.

Veja abaixo como a automação pode potencialmente mudar a forma como o trabalho é feito em quatro cenários: exploração de petróleo e gás, manutenção de aeronaves, emergência de hospitais e supermercados:

Emergência de hospitais:

Manutenção de aeronaves:

Exploração de petróleo:

Supermercados:

Os efeitos da automação podem ser lentos em um nível macro em setores ou em economias inteiras, mas podem ser bastante rápidos em um nível micro para trabalhadores individuais ou para empresas cujas indústrias sofrem disruptura causadas por concorrentes que adotam a automação.

Fonte: McKinsey

Deixe seus comentários abaixo


Redação O Futuro das Coisas
Redação O Futuro das Coisas

O Futuro das Coisas é dedicado a trazer conteúdo exclusivo em inovação, tecnologia, educação e medicina numa linguagem divertida e acessível.

Comments

  1. Interessante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This