Estes óculos podem ser os últimos que você precise comprar na vida


30 jan 2017

A maioria das pessoas que usa óculos para leitura tem que colocá-los e tirá-los o tempo todo. Se esse é o seu caso, você não precisa mais fazer isso…

Talvez nunca mais na sua vida precise comprar óculos bifocais ou multifocais para enxergar longe, perto e intermediário.

A novidade é que uma equipe de engenheiros da Universidade de Utah, criou uns “óculos inteligente” com lentes líquidas feitas de glicerina, um líquido incolor e viscoso, cercadas por membranas flexíveis de borracha na frente e atrás, que podem automaticamente ajustar o foco naquilo que você está vendo, a qualquer distância que seja.

O professor de engenharia elétrica e de computação da Universidade de Utah, Carlos Mastrangelo (direita), e o estudante de doutorado Nazmul Hasan criaram o protótipo inicial dos “óculos inteligentes” com lentes líquidas que podem ajustar automaticamente o foco no que uma pessoa está vendo, seja longe ou perto. Os quadros alimentados por bateria ajustam automaticamente a distância focal. Os pesquisadores esperam ter quadros menores e mais leves dentro de três anos. (Crédito: Dan Hixson / University of Utah College of Engineering)

 

A membrana de trás de cada lente é conectada a uma série de três atuadores mecânicos que empurram essa membrana pra frente e pra trás como se fosse um pistão transparente, mudando assim a curvatura da lente líquida e, portanto, a distância focal entre a lente e o olho.

A distância das lentes a um objeto é medida através dos pulsos da luz próxima do infravermelho. Quando o usuário olha para um objeto, o medidor instantaneamente mede a distância e diz aos atuadores como curvar as lentes. Se o usuário vê então outro objeto mais próximo, o medidor reajusta e diz aos atuadores para remodelar a lente para o modo de hipermetropia.

Esquema simplificado da lente líquida da membrana (exceto atuadores). A potência óptica da lente é ajustada deslocando verticalmente o fluido com um pistão transparente, desviando assim a membrana superior e mudando a sua curvatura. (Crédito: Nazmul Hasan et al./Optics Express)

 

As lentes podem mudar o foco de um objeto para outro em apenas 14 milissegundos (mais rápido que o tempo de reação humana).

Uma bateria recarregável nos frames poderia durar mais de 24 horas por carga, segundo Carlos Mastrangelo, professor de engenharia elétrica e de computação, e autor de um artigo publicado na edição especial da revista Optics Express.

Antes de usar os óculos pela primeira vez, a pessoa deverá informar a sua prescrição médica em um aplicativo de smartphone que vem acompanhado, o qual irá calibrar as lentes automaticamente via Bluetooth. Ela só precisa fazer isso uma única vez, exceto quando sua prescrição mudar ao longo do tempo.

A equipe exibiu um protótipo dos “óculos inteligentes” no mês passado na Consumer Electronics Show em Las Vegas, e esperam melhorar constantemente o design para torná-los menores e mais leves.

A startup, Sharpeyes LLC, foi criada especificamente para comercializar o produto. Já o projeto foi financiado pelo National Institutes of Health e pelo National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering.

Fonte: OSA Publishing e Utah News

Deixe seus comentários abaixo


Redação O Futuro das Coisas
Redação O Futuro das Coisas

O Futuro das Coisas é dedicado a trazer conteúdo exclusivo em inovação, tecnologia, educação e medicina numa linguagem divertida e acessível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This