Como construir um grande negócio pensando pequeno


07 dez 2016

“Grandes coisas acontecem por causa das pequenas coisas. Isso significa que se tudo que você quiser fazer ´for grande´, nunca chegará ao seu objetivo”. Esse é o pensamento de Jeff Rodman. Sua empresa, a Polycom, uma gigante de vídeo e outras formas de comunicação, começou minúscula no mercado. Hoje a empresa vale US$ 2 bi e acumula mais de 30 patentes.

Para Rodman, pensar grande e fazer coisas grandes não deveria ser o nosso objetivo. Ele compartilhou na Harvard Business Review três pequenas coisas que aprendeu e que fazem uma “grande” diferença quando quer fugir do mito da grandeza.

1- Pequenas Inovações

As pequenas inovações levam a grandes avanços, acredita Rodman. É fazer mais com menos. Em vez de ficar obcecado com grandes coisas, ele sugere perguntar-se a si mesmo:

Qual é a menor mudança que poderíamos fazer em nosso produto, na nossa entrega, na nossa distribuição, na nossa estrutura organizacional, ou na nossa comunicação?

Ele acredita que uma pergunta ainda melhor é aquela que força você a melhorar algo quando tem que subtrair:

O que poderíamos tirar dessa área para torná-la melhor e simplificar o processo?

2- Pequenas mudanças de design

Esta segunda visão flui da primeira. Design refere-se ao que o cliente experimenta.

Focar em algo menor não significa apenas reduzir o escopo; Significa reduzir a complexidade. “Por mais contra intuitivo que possa parecer, cada nova iteração de nossos produtos tem sido impulsionada não apenas fazendo com que esses produtos agreguem mais, mas também possibilitando que os seus usuários façam menos”, diz ele.

É possível aumentar a utilidade de um produto ou serviço reduzindo a complexidade, em vez de apenas adicionar mais e mais recursos. “A meta de qualquer produto ou design físico não é ser notado – é se tornar tão simples, que a experiência parece natural”.

3- Pequenos hábitos

Para Rodman, são os pequenos hábitos que contam. E o melhor é desenvolver uma série de pequenos bons hábitos.

Alguns pequenos hábitos vêm naturalmente, como comer ou verificar as nossas chaves…

Outros hábitos vamos desenvolvendo com o passar do tempo, como fazer anotações e criar listas, e vamos aprendendo o que funciona e o que não funciona.

Jeff Rodman é cofundador e Chief Evangelist da Polycom (Crédito: Polycom)

O caminho da grandeza

Rodman frequentemente tem visto que as melhores decisões e as melhores soluções são construídas dentro de um ambiente de pequenos hábitos, inovações e designs.

Mas, ele logo adianta: “Começar pequeno não significa que você não irá se tornar grande. Significa que quando você finalmente for grande, há uma imensa chance de se tornar excepcionalmente grande”.

Fonte: Harvard Business Review

Deixe seus comentários abaixo


Redação O Futuro das Coisas
Redação O Futuro das Coisas

O Futuro das Coisas é dedicado a trazer conteúdo exclusivo em inovação, tecnologia, educação e medicina numa linguagem divertida e acessível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This