Clínica Mayo: A Realidade Virtual com Sensações Agradáveis


04 abr 2016

A Realidade Virtual provoca diversas sensações. Uma delas pode ser bem desagradável: sentir náuseas é uma das principais queixas de quem a experimenta.

Para solucionar esse problema, a Clínica Mayo dedicou os últimos anos desenvolvendo uma tecnologia patenteada, chamada “Galvanic Vestibular Stimulation” (GVS).

Semana passada, a Mayo anunciou que licenciou a GVS para a empresa americana de entretenimento vMocion.

A ideia é incorporar a GVS na plataforma conhecida como 3v – virtual, vestibular e visual – em sistemas de Realidade Virtual (RV) e de Realidade Aumentada (RA), dando aos usuários uma experiência que eles chamam de “movimento tridimensional”.

Por que sentimos náusea

A vMocion explica que a náusea que muitas pessoas sentem experimentando a Realidade Virtual ocorre devido a uma incompatibilidade dos sistemas visual e vestibular.

Ou seja, a náusea acontece quando o sistema vestibular – um conjunto de órgãos do ouvido interno que proporciona equilíbrio e orientação espacial – está fora de sintonia.

Um exemplo é quando estamos andamos virtualmente na RV sem de fato estarmos andando. Acontece uma incompatibilidade porque nós não sentimos o movimento representado no espaço 3D. Nosso cérebro instantaneamente constata que existe uma discrepância entre o que estamos vendo e o que estamos sentindo.

Como funciona

A GVS sincroniza o ouvido interno para aquilo que a pessoa está vendo na RV. Isso é uma solução muito mais eficaz do que simplesmente aumentar a taxa para 90 quadros por segundo, que, segundo a vMocion, não resolve o problema da náusea.

Clínica Mayo 1

A plataforna 3v da vMocion incorpora a tecnologia GVS da Mayo Clinic. (Imagem cortesia: vMocion)

 

Usando os algoritmos da Clínica Mayo, a GVS pega as cenas bidimensionais ou tridimensionais de um jogo ou filme, e converte-as para o que a vMotion chama de “motion movie”, ou filme em movimento.

Isso é conseguido por meio de um software integrado e de um sistema físico que toca a testa do usuário, a nuca, e a área atrás de cada orelha. Ao fazer isso, assegura-se que aquilo que o usuário vê e sente fica sincronizado dentro de um décimo de segundo, um tempo crucial para aliviar o mal-estar da RV.

“Vamos adicionar a sensação mágica de movimentos em jogos, filmes, parques de diversões, e outros cenários entretenimento” Brad Hillstrom, presidente da vMocion.

 

A plataforma de 3v vai permitir uma nova dimensão de movimento que cria uma experiência de imersão além das ofertas atuais de tecnologia de RV ou RA, assegura Brad Hillstrom, presidente da vMocion.

Embora ainda não existam sistemas com 3v para o consumidor final, eles esperam que os fabricantes de hardware para RV e RA licenciem em breve a tecnologia, incorporando-a em seus equipamentos.

 

Fonte: Clínica Mayo

Deixe seus comentários abaixo


Redação O Futuro das Coisas
Redação O Futuro das Coisas

O Futuro das Coisas é dedicado a trazer conteúdo exclusivo em inovação, tecnologia, educação e medicina numa linguagem divertida e acessível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This