Cidade Antifrágil: liberdade, opcionalidade e identidade


14 jan 2018

Quando ouvimos e lemos sobre cidades do futuro, constantemente nos deparamos com o termo cidades inteligentes, ou na sua versão mais comercial, smart cities. Muitos imaginam que a inteligência das cidades tem conexão direta com o seu futuro, ou melhor, que o futuro das cidades está ligado à inteligência embarcada nelas, e que essa inteligência está relacionada exclusivamente à tecnologia, o que embaralha ainda mais o conceito, criando para muitos uma ideia de que futuro/ tecnologia/ inteligência são conceitos indissociáveis, desejáveis e necessários, ou ainda pior, que inteligência e tecnologia serão os grandes responsáveis pelo futuro das cidades (ou, para aqueles mais radicais, essencial para que as cidades tenham um futuro).

Já falei, nesse mesmo espaço, sobre a visão compartilhada por muitos, de que a “sensibilidade” como chamou Carlo Ratti do MIT (ainda que com um viés bastante tecnológico) é tão ou mais importante do que a própria inteligência nas cidades. Ainda que “cidade sensível” (senseable city) não seja um excelente nome, ainda é mais abrangente e assertivo do que “cidade humana”, que ainda que antropocêntrico, sempre dá a impressão que apenas os humanos têm vez, criando um problema com todo o tipo de militância ecológica. Uma cidade sensível deveria ser sensível a tudo e a todos, inclusiva e indiscriminadamente.

Hoje, quando pensamos em futuro, um termo que comumente vem às nossas cabeças é o “smart city”, afinal, parece óbvio que, diante dos avanços das learning machines e A.Is da vida, as cidades também devam ser “inteligentes”. Mas, o que é uma cidade inteligente? ou melhor, o que faz uma cidade inteligente? (Esteves, 2017)

Mas, a grande provocação sobre o futuro das cidades veio de onde se menos esperava. Não foi ideia de um urbanista, de um cientista social ou de um designer. Foi um analista de risco, isso mesmo (se bem que é uma definição um tanto reducionista para esse autor) que trouxe uma ideia, que agora, relaciono com o meu universo de pesquisa e atuação: a cidade. Esse analista de risco se chama Nassim Taleb e é dele uma ideia incomum, embora conhecida empiricamente por grande parte das pessoas, a antifragilidade.

Antifragilidade é o oposto de fragilidade e, segundo o autor, é algo que se beneficia com a incerteza, ou seja, algo que “gosta” da incerteza.

Quando você está frágil, depende que as coisas sigam o exato curso planejado, com um mínimo de desvio possível, pois os desvios são mais prejudiciais do que úteis. É por isso que o frágil precisa ser muito preditivo em sua abordagem, e, inversamente, os sistemas preditivos causam fragilidade. Quando você quer desvios, e não se preocupa com a possível dispersão de resultados que o futuro pode trazer, já que a maioria será útil, você é antifrágil. (TALEB, 2015)

Além da resiliência

Uma das partes mais importantes do conceito de Taleb é a comparação do que ele chamaria de Tríade: fragilidade, resiliência, antifragilidade.

A fragilidade sofre (e eventualmente morre) com a incerteza, com os erros e desvios, e é comparada com o mito da “espada de Dâmocles”, onde nosso protagonista troca de lugar com Dionísio, monarca de Siracusa, cidade mais rica da Scicília, e pode usufruir por um dia, de tudo que lhe era oferecido. Em meio à felicidade que agora ele facilmente aproveitava, recostou-se nas confortáveis almofadas e olhou pra cima e percebeu uma espada apontada em sua direção, presa por um fio da crina de um cavalo, ou seja, tudo parece lindo, mas tudo pode acabar a qualquer momento.

A resiliência, por sua vez, é ligada aquilo que não sofre com a diversidade, e, após enfrentá-la, retorna a sua forma original, ou seja, não se prejudica, mas também não se beneficia com a incerteza. Nessa parte da Tríade, a metáfora usada é o mito egípcio da Fênix, ave que ao morrer era devorada por chamas e delas nascia uma nova Fênix, igual a anterior.

Já a antifragilidade, que por sua vez se beneficia da “desordem” é comparada ao mito grego da Hidra de Lerna, monstro com várias cabeças (de 7 a 10.000 dependendo do autor), enfrentado por Héracles (Hércules na mitologia romana) que ao ter uma de suas cabeças cortada, automaticamente duas novas cabeças nasciam no lugar, ou seja, ela se aproveitava da incerteza, e crescia com ela.

Lembre-se de que o frágil deseja a tranquilidade, o antifrágil cresce com a desordem e o robusto não se importa muito” (Taleb)

Nem é preciso ir tão longe

Um exemplo mais próximo de antifragilidade é a “cultura” startup. No ecossistema inovador, o erro faz parte do processo. Errar, ao contrário do pensamento tradicional, também traz conhecimento e aprimora processos, serviços, produtos e até pessoas.

A ordem é evoluir e não sobreviver.

O “frágil” versus o “robusto” versus o “ágil” versus o “antifrágil”: a natureza busca a antifragilidade.

 

Em relação à cultura das startups, uma pergunta que ouço há muito tempo se refere sobre a relação entre identidade e volatilidade, afinal, como é possível trabalhar uma identidade de uma empresa (marca nesse caso) se a natureza de uma startup é mudar?  Se um dia ela faz aplicativos sobre mobilidade, no outro isso vira um jogo e na semana que vem uma plataforma colaborativa de empreendedorismo social?

A resposta é a mesma, tanto para empresa quanto para cidades, ou mais especificamente, tanto para marcas corporativas quanto para marcas-lugar: Concentre-se nas pessoas.

São as pessoas os elementos imutáveis (teoricamente) da equação. O elo de ligação entre os sócios de uma startup, por exemplo, apresenta dicas poderosas da identidade daquela empresa, que para efeitos comparativos nesse artigo chamaremos de “encontro de pessoas”. O que mantém essas pessoas juntas, hoje fazendo app, amanhã games e semana que vem plataformas são as características identitárias, muitas vezes traduzidas num propósito claro, tão caro à geração dos millennials. Mas, é importante diferenciar identidade de propósito, embora ambos sejam características interiores, o propósito também é coletivo (a identidade pode ser), compartilhado e concretizado externamente.

No final, sempre teremos que responder a mesma pergunta

Saber quem somos, o que quase nunca é fácil, está no centro da questão desse artigo, traduzida em um termo, uma palavra, ao mesmo tempo comum e complicadíssima: identidade.

Para Calhoun,1994 “Não temos conhecimento de um povo que não tenha nomes, idiomas ou culturas em que alguma forma de distinção entre o eu e o outro, nós e eles, não seja estabelecida…”

Para as ciências sociais, mais especificamente para Castells (1999)

Não é difícil concordar que do ponto de vista sociológico, toda e qualquer identidade é construída. A principal questão, na verdade, diz respeito a como, a partir do quê, por quem, e para quê isso acontece. A construção de identidades vale-se da matéria-prima fornecida pela história, geografia, biologia, instituições produtivas e reprodutivas, pela memória coletiva e por fantasias pessoais, pelos aparatos de poder e revelações de cunho religioso.”

A coisa complica ainda mais quando colocamos mais um elemento nessa discussão: o lugar. Dessa forma teremos a identidade dos indivíduos, e do território, que podemos concluir, lembrando Tuan, que é a soma das identidades dos indivíduos. Assumiremos que essa soma de identidades é capaz de formar uma “identidade de lugar”, sem necessariamente ser construída por algum ente (político, religioso, corporativo etc) com interesses próprios.

A hipótese da identidade

Na experiência empírica (de que Taleb tanto gosta), a prática tem mostrado que o conhecimento dos elementos identitários, supervalorizados pelos cientistas sociais e subvalorizados pelos planejadores urbanos, podem ser responsáveis pela criação de lugares mais vibrantes, harmônicos, com maior senso de pertencimento, e claro, mais resilientes.

E é aqui que tudo começa. Durante anos venho defendendo a resiliência das cidades como o principal objetivo do place branding. A revisão do termo faz sentido à medida que ele está cada vez mais relacionado com a ideia de sustentabilidade, ou seja, embarcado de carga simbólica do universo discursivo da ecologia e meio ambiente. A perspectiva da Tríade de Taleb traz mais um elemento para a discussão: não deveriam as cidades buscar a antifragilidade?

Identidade dos indivíduos  + 

identidade do lugar  +

opcionalidade =

lugar antifrágil

Essa é uma equação, ainda simples, da hipótese da identitidade, onde levamos em conta não só as identidades, mas outro elemento, também levantado por Taleb: a opcionalidade.

Esse conceito é provavelmente o de mais fácil compreensão. Opcionalidade é a possibilidade de diversidade, ou o famoso “plano B” seguido pelas demais letras do alfabeto, ou nas palavras do próprio Taleb: “Não ficar preso a determinado esquema, de modo que se possa mudar de opinião enquanto se segue adiante, com base em descobertas ou novas informações”. Não a toa que a opcionalidade é comparada a figura do flanêur Benjaminiano, que diferente do turista, com suas reservas, aplicativos, vouchers e todo o tipo de parafernália que o prende ao destino, simplesmente “flana” pela cidade, tomando cada decisão de acordo com sua própria vontade e de acordo com as oportunidades que se descortinam a sua frente.

          Fragilidade é prisão, antifragilidade é liberdade.

Não raramente nos deparamos com lugares – cidades mais precisamente – que tem apenas uma única vocação definida, ou apenas um produto reconhecido, imaginando que nunca, nenhum outro lugar poderá superá-lo.

Já vimos o que acontece com esse tipo de pensamento, exemplos não nos faltam, sendo Detroit nos Estados Unidos, provavelmente o mais retumbante. Voltada para a indústria automobilística, a cidade, começou a presenciar um êxodo sem precedentes na década de 1960, com demissões em massa na indústria. De dois milhões de habitantes em 1960 a cidade tem hoje 700 mil, tentando, de todas as formas, se reerguer.

Assim como Detroit, que jamais imaginou que a indústria automotiva pudesse sofrer algum tipo de crise, vários outros lugares tem a mesma ilusão da certeza, da perpetuidade das coisas.

Mas como prever o que pode acontecer? Essa é a grande questão,  é difícil prever o que acontecerá. O essencial é criarmos mecanismos e um mindset antifrágil capaz de aprender com os erros e até se beneficiar deles.

Nesse momento a singularidade entra em campo. Pegaremos emprestado esse termo da física, onde define fenômenos tão extremos que as equações não são mais capazes de descrevê-los, ou ainda para definir aquilo que é pouco frequente, ou, por extensão, qualidade que distingue algo dos outros do mesmo gênero, aquilo que não conseguimos prever ou imaginar:

A idéia é que tecnologias de várias áreas evoluem cada vez mais aceleradamente, se integrando e mudando rapidamente a realidade. Em um dado momento – a tal da singularidade –, a curva da evolução ficaria tão vertical que ultrapassaria o limite do próprio gráfico. É impossível saber o que viria depois.”
(https://super.abril.com.br/ciencia/singularidade/)

Como podemos ver, o termo singularidade está presente em um futuro discursivo, naquilo que talvez aconteça, um ponto de onde não saberíamos prever o que viria depois (como se em algum momento pudéssemos prever o que quer que fosse)

Como sugiro no gráfico abaixo, podemos propor o seguinte sentido para a construção de um lugar antifrágil, imaginando que a opcionalidade singular pode ter mais ramificações.

Se por anos procurei a resiliência como resultado, agora, a antifragilidade parece uma abordagem a ser seguida. Imagino que uma cidade antifrágil é um lugar com uma identidade (formada ou não pela soma das “pequenas identidades” ). Essa identidade clara e compartilhada, resulta em uma, ou mais, singularidades, que são as formas com que a identidade se manifesta. Quanto mais opcionalidade conseguirmos gerar, de forma alinhada, e portanto autêntica, melhor, ou mais antifrágil o lugar poderá ser. 

Conclusão

Esse texto apresenta um primeiro recorte para esse novo conceito, que provisoriamente chamaremos de Cidade Antifrágil. Digo provisoriamente porque o termo ainda não é autoexplicativo e pode parecer facilmente um sinônimo para resiliência.

Nele embarcamos a reflexão de Taleb, junto ao mindset do place branding e cidades para pessoas, ou ainda “lugares orientados pela identidade”, numa tentativa de trazer à tona a discussão sobre o futuro das cidades diante do êxodo crescente em direção aos grandes centros urbanos por parte da população que não tem oportunidades suficientes nos seus lugares de origem, além da constante competição por recursos, talentos, turistas, indústrias, etc, por parte dos governos municipais.

Ainda temos mais perguntas do que respostas, mas a certeza de que é preciso olhar para frente, uma vez que as previsões baseadas no passado já não são mais eficientes (se é que um dia foram), e que o futuro recai sobre nós, pessoas, e ainda, que os modelos de gestão dos lugares, que já são ineficientes, se tornarão obsoletos muito antes do que imaginamos.

Fontes:

TALEB,N.N. Antifrágil. Kindle Edition, 2015

CASTELLS,Manuel. O poder Da Identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999

 

Crédito da imagem da capa: Wilow Park

Deixe seus comentários abaixo


Caio Esteves
Caio Esteves

Caio Esteves é fundador Place For Us, 1a empresa brasileira especializada em place branding (marcas-lugar), e coordenador da pós-graduação em Branding Experience na Istituto Europeo di Design São Paulo (IED SP). É também autor de Place Branding

Comments

  1. Gilberto José de Camargo : janeiro 15, 2018 at 2:05 pm

    Caio Esteves, sou professor universitário (FACENS), deixo aqui meus parabéns, há muito que não lia algo tão permeado de lucidez e acertamento, estou lendo Taleb em “a Lógica do Cisne Negro” e me surpreendo sempre, pois, o tratamento que ele traz sobre a dobra platônica é muito interessante, pois, me permitiu discutir o cartesianismo e agora você nos traz que “O essencial é criarmos mecanismos e um mindset antifrágil capaz de aprender com os erros e até se beneficiar deles.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest

Share This